quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Ausência

Arremessei uma pedra ao longe,
mirei no horizonte, fixei sua morada nas estrelas
com tanto esforço, entrega e devoção ao seu vôo longitudinal
a pedra recaiu no meu peito, e feriu tanto que a hora mais doce da manhã me pareceu amarga

Sugiro aqueles amantes da lua
sentarem-se presos ao teu brilho, mas que não afastem seu fulgor
que a tratem como um hóspede que habita a imensidão,
que não lhe façam juras de amor, pois todas as manhãs sofrerão a sua perda

Demasiada pressa diluindo o amor próprio
e desta forma com pedras e ausências de lua
que comtemplo essa doce ferida azul que brilha no meu peito
que sucumbe às tuas idas e vindas.

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Inspiration Dream

A professora de artes se dirige aos alunos e diz:

- Deixem-me ler a vocês uma carta de Madre Tereza de Calcutá...Vejam bem, não sou católica, mas não é bem isto o que nos interessa aqui, o que nos interessa na carta é seu conteúdo...

Um dos alunos se manifesta, um homem de meia idade e também o mais erudito da sala, vocifera abjetando veementemente:

-Eu sou contra...prefiro saber sobre documentos ligados a história da arte, ou sobre a técnica da pintura.

A professora fixa o olhar nos atentos olhos azuis do interpelador, contornados por suas feições já
encarquilhadas pelo tempo, e lhe diz em um só folêgo e toda a firmeza que alguém pode ter ao deixar falar uma verdade que lhe grita ao peito:

-Como pode querer pintar o sol, se você não o aprecia? Se você não olha para ele? Como você pode querer fazer coisas belas se não se atenta à beleza? Se não a vê ao seu redor? nas coisas e nas pessoas...como poderá ser um artista?...Estou falando de inspiração! Estou falando de inspiração!

Todos se calam.

domingo, 25 de setembro de 2011

O eterno agora

Em face da vida me perdou por cada detalhe esquecido,
 em cada minuto vivido cabendo dentro da palma da mão
 No entardecer, dos olhos perdura o clarão, apenas viver, escolha livre
a vontade cresce, me enrubesce, entumescem-se os mares loucos do dia de amanhã

Estado puro de tensão e liberdade, coabitam num suspiro
solto e desenfreado dos sentidos do meu peito.
Me cego, arranco do dia seu brilho, escuto da vida o avesso
horror de dia de trevas quando um segundo esqueço...

Estando uma vez ao nascer, proximo da tua chegada
correndo seguindo o vento, o restante das trovoadas
algures uma criança, um jovem, uma anciã
na ansia de entender o dia de amanhã

segunda-feira, 18 de julho de 2011

Silêncio

No silêncio vazio as palavras ecoam na mente, no silêncio pleno é a existência que ecoa.

terça-feira, 15 de março de 2011

Amor silenciado...

Peço que traga cordas para os meus pés atar, que não me levem ao delírio que é ao teu lado estar, que não me guiem por motivos que a razão não reconhece e a alma não domina a buscarem sempre a ti como alvo em minha vida...
Que de minhas mãos façam com algemas, e cadeados, exaurindo-as de modo a não poder expressar o movimento que se segue do peito, e falar a ponta dos dedos, a denunciar com gestos o calor dos sentimentos...
 Aos olhos enclausurem-se em quartos escuros, que não te sigam com seus brilhos irriquietos, que não façam escoar lágrimas na sua ausência...
E que a boca se cale em torno do seu nome, que não diga de tí sequer uma palavra que aufira o valor, a beleza, e o sentimento que contém....
Quem sabe desta feita em condição outra estaria eu...que não esta, de gritar o clamor da vida desse seu universo, onde o corpo não mais denunciaria a vã tentativa que me cerca de se aproximar de tua alma...

domingo, 6 de fevereiro de 2011

Detalhes...

   A vida é cheia de detalhes, parece que é nos detalhes que encontramos sua maior beleza, por sua suavidade, pelo valor que colocam ao que a primeira vista muitas vezes não pode ser percebido...
   Detalhes como um sorriso, um olhar,  uma gentileza, por vezes por serem ´´detalhes`` passam despercebidos, ou mesmo chegamos a descrer que possam fazer diferença a outrem, acabamos por abdicar deles..
  Mas são detalhes que nos fazem felizes, que fazem momentos belos, são detalhes que fazem a vida, uma somatória destes pode pender positivamente ou não, o fato é que naquele segundo , aquele detalhe era tudo o que tínhamos, e tudo o que poderíamos ter, pois se não temos o agora não podemos observá-los sequer temos algo se não o agora...
   Um dia lindo, cheio de belos detalhes, e no final algo não dá certo, algo não ocorre como esperado, traindo o imáginário que já se antecedia aos fatos, um detalhe, desta vez não tão agradável...e o que fazemos? Neste momento esquecemos os outros momentos que antecederam este, e o detalhe negativo é o que prevalece, por que será que temos esta tendência de dar primazia ao trágico? Por um momento estava eu a devanear sobre este fato que ocorreu comigo hoje, e a conversa com minha amiga me trouxe de volta ao detalhe atual, percebi quanto tinaha perdido ao esquecer o dia maravilhoso que tive e resumi-lo a um detalhe porque algo não ocorreu como eu desejava no final das contas...

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Eros e Psiquê...

      Nossa condição humana nos leva a discorrer  por vezes, sobre assuntos demasiados distantes de serem alcançados com palavras, me proponho vez ou outra a perguntar sobre a possibilidade de traduzir certos sentimentos... existe um contraponto entre dizer e sentir, o fato é que impossibilitados de dizer o que sentimos dizemos algo que traduz um sentido universal desta impossibilidade...
      Como quando dizemos´´ Eu te amo`` , e sabemos no fundo o quanto estas palavras são insuficientes, sabemos que através delas podemos traduzir não o que sentimos, mas o sentido universal que reflete nossa cultura, que aponta para o possível do compartilhar com dizeres os sentimentos, o fato é que somente com sentimentos o podemos compartilhar, o máximo que as palavras ditam é comunicação...( Sim quem disse que comunica é compartilhar?...não estamos nos referindo ao âmbito do saber, mas sim da existência...)
    Um amigo me disse ´´ o amor não se desvela nas palavras, mas sim nos atos, nos gestos é que o podemos perceber, as palavras o obscurecem e fazem parecer vazio...``, concordo , penso que um olhar como diz o dito popular, por vezes diz mais do que mil palavras. Geralmente me contradigo por vezes ao tentar dizer o que sinto, isto é verdade, mas não é apenas minha incapacidade, o fato é que as palavras são pobres para traduzir certas emoções...
    Quando digo que é somente o sentimento mútuo que pode ser compartilhado, acredito que é por este estar fora da linha lógico-racional em que se admite um discurso, assim por exemplo ao nos tornarmos amantes, temos uma língua própria, temos uma possibilidade única de conduzir para além das palavras, com elas ou sem elas...